Dietrich Bonhoeffer · Liberdade de Expressão · Liberdade Religiosa · Teologia Liberal · Totalitarismo

Como é ser um cristão em ambientes totalitários?

Por Gutierres Fernandes Siqueira


A pergunta acima é de difícil resposta! Como reagiríamos com a nossa fé em Jesus Cristo diante da ameaça vinda de um regime autoritário (como a China de hoje) ou totalitário (como a Alemanha de Hitler)? Só mesmo vivendo a dramática experiência da perseguição política/religiosa para percebermos o quão longe estamos dispostos a proclamar o nome de Jesus Cristo.

Mas dois livros nos ajudam a entender melhor esse mundo maluco da intolerância religiosa e a resistência movida pela fé em Jesus Cristo, o maior de todos os libertadores de qualquer opressão.

O primeiro é Bonhoeffer- pastor, mártir, profeta, espião (Editora Mundo Cristão) escrito por Eric Metaxas. O conhecido pastor e teólogo luterano Dietrich Bonhoeffer lutou (literalmente) contra o regime nazista e recusou fortemente a tendência das igrejas liberais da Alemanha no seu entusiamo pelas políticas do chanceler totalitário. Como teólogo, o alemão Bonhoeffer é responsável pelo conceito genial de “graça barata”, ou seja: “A graça barata é a pregação do perdão sem arrependimento, é o batismo sem a disciplina comunitária, é a Ceia do Senhor sem confissão de pecados, é a absolvição sem confissão pessoal. A graça barata é a graça sem discipulado, a graça sem a cruz, a graça sem Jesus Cristo vivo, encarnado” [1].

Precisamos ouvir esse alerta de Bonhoeffer que fala cada vez mais alto!

Assim a editora apresenta a obra:

As tropas nazistas avançavam pela Europa, ameaçando estender seus domínios sobre todas as nações. Numa época em que se calar era a melhor forma de se expressar e se omitir era a mais acertada ação, um pastor, com reconhecido talento e prodigiosa capacidade intelectual, viveu seu chamado como forma de servir a seu país. […] Em 1939, vivendo nos EUA, a salvo do regime nazista, sua paixão por seu povo o levou de volta à Alemanha. Sua capacidade política e carisma o tornaram uma ameaça a Hitler e lhe custaram o exílio em Berlim. Proibido de falar, escrever e publicar, Dietrich Bonhoeffer decide vestir a máscara de pastor patriota submisso ao Reich e passa a ser um agente duplo. Trabalhando na Abwehr, agência de inteligência do regime nazista e sabotando ordens e ações de guerra nazistas, ele salva milhares de vidas e impede os planos de Hitler, enquanto, junto a seus companheiros, trama a queda do Führer. Descoberto pela Gestapo, Bonhoeffer é preso e, num 9 de abril de 1945 – semanas antes da queda do Terceiro Reich – termina sua luta para salvar conterrâneos e judeus da cólera ariana, sendo enforcado por ordem direta de Adolf Hitler. […] Bonhoeffer – pastor, mártir, profeta, espião, biografia escrita por Eric Metaxas, traça o perfil profundo e cuidadosamente detalhado de um dos teólogos alemães mais importantes desde Lutero e uma das figuras principais da resistência contra o regime nazista. […] Inspirativo, desafiador e emocionante, Bonhoeffer é o relato instigante do que um homem pode fazer movido por amor ao próximo e contra a injustiça de um regime totalitário. Um livro para ser lido e discutido por todos que acreditam na liberdade e no dever de lutar para que essa liberdade alcance a todos. 

O autoritarismo vermelho

O segundo livro é do ativista chinês Liao Yiwu, atualmente asilado na Alemanha, que escreveu o título Deus é Vermelho (Editora Mundo Cristão). Yiwu não é cristão, mas escreveu esse livro ppor achar impressionante a história de fé e garra dos cristãos que se reúnem em casas subterrâneas ou cavernas para adorar o nome do Senhor. O autor também descreve a propaganda sutil do governo contra a obra missionária e mostra o entusiamo dos simples camponeses, que mesmo tão longes dessa China emergente (emerging market), adoram ao Senhor na simplicidade da vida camponesa. A editora assim descreve a obra: 

Na China comunista, sob o regime de Mao Tsé-tung, todas as práticas religiosas foram banidas. O comunismo tornou-se a religião nacional e Mao foi entronizado, deificado e adorado. Apenas a igreja oficial era permitida, mas em seus cultos, apenas palavras de honra e louvor ao regime e ao líder Mao. Mas debaixo de tanta opressão, a semente do cristianismo brotou e floresceu. […]Deus é Vermelho percorre pequenos vilarejos e grandes cidades, trazendo narrativas emocionantes e assombrosas sobre dezenas de milhões de cristãos chineses que vivem a fé debaixo do duro regime socialista. […] Indo de casa em casa, reunindo-se porões e sótãos, vivendo à margem da religião oficial do Estado, assim caminham os cristãos chineses. Correndo perigo de prisão, castigos e até morte, assim vivem os que desafiam o regime para manter e cultivar a fé em Jesus Cristo. […] Conversas sussurradas, códigos cifrados, bíblias e material evangelístico contrabandeados, assim o evangelho é pregado cotidianamente. Deus é vermelho é o relato tocante e desafiador de uma Igreja viva que cresce e floresce no regime mais fechado do planeta. […] Liao Yiwu traz nesta obra uma perspectiva nova sobre a força e a importância do Evangelho para pessoas simples e abnegadas, mas que morrerão sem negar o Autor de sua fé. […] Escritor chinês censurado na China e exilado na Alemanha, onde vive desde que conseguiu fugir do regime, Liao Yiwu escreveu este livro para nos revelar uma China diferente, com uma Igreja cristã pujante e vigorosa. O autor do poema Massacre, que lhe custou anos de cadeia, nos conta a história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista.

Ficam aí duas dicas para entendermos melhor esse mundo do autoritarismo e, assim, agradecermos a Deus por nossa liberdade [2]. Além disso, também é um alerta para lutarmos sempre pela democracia, liberdade religiosa e a liberdade de expressão. O vírus do autoritarismo está sempre querendo contaminar o mundo democrático.

Notas:

[1] BONHOEFFER, Dietrich. Discipulado. 10 ed. São Leopoldo: Sinodal, 2008. p 10

[2] Recomendo o texto do meu amigo Cristiano Silva que fala sobre essa alegria da liberdade religiosa. Leia neste link reparado. Leia também o Manifesto de Brasília sobre Liberdade de Expressão neste link

3 comentários em “Como é ser um cristão em ambientes totalitários?

  1. Gutierres

    Estranhei você chamar o regime Chinês de simplesmente “autoritário”. É um regime totalitário, como todos os regimes comandados por partidos comunistas. O nome “totalitário” surgiu justamente para regimes baseados em doutrinas que se consideram capacitadas a refazer a sociedade e o próprio interior do ser humano, com toda violência que for necessária. O partido comunsta chinês, como todo partido comunista, tem uma doutrina totalitária. Eventuais “aberturas” são apenas recuos estratégicos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s