Espiritualidade · Família · Infantilidade Evangélica

Se a vida fosse tão simples como a soma de dois mais dois…

Será que essa conta bate?

Por Gutierres Fernandes Siqueira

O cartaz acima foi compartilhado por milhares de evangélicos no Facebook. Mas eu resumiria a mensagem do cartaz em uma única palavra: ingenuidade.

Bem, se eu interpretei direito o cartaz, então temos o seguinte: a) Uma vida devassa e regada a baladas e “mundanidades” resulta em solidão no final da vida. b) O namoro casto e crente resulta em um casamento duradouro e, sendo o melhor, uma garantia de companhia no final da vida.

É verdade? Eu respondo: nem sempre!

A vida não é uma soma simples. A nossa vida é mais complicada do que admitimos. Não é uma mera lei de “causa e efeito”.

Mas você pode argumentar que a minha frase acima contradiz Gálatas 6.7-9, que diz:

Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos.

Opa, a leitura atenta do texto paulino não ensina uma “lei de causa e efeito”. O que Paulo nos ensina é a “lei da semeadura”. Se a “lei da semeadura” fosse uma simples “causa e efeito” a semente jogada na terra sempre geraria frutos, mas sabemos que a semeadura não é tão simples assim (cf. Marcos 4. 1-9).

O êxito de uma semeadura depende de uma semente plantada, é óbvio, mas também de uma terra boa, limpa, regada etc. E tudo isso na medida certa, ou seja, nem mais nem menos. O agricultor sofre com a seca e com a chuva demasiada e sofre com a terra com pedras ou excessivamente adubada.

Portanto, achar que um simples namoro cristão resultará em uma velhice equilibrada é pura ingenuidade. Alguns até pensam que o “sacrifício da virgindade” resultará em bênçãos contínuas de Deus sobre o casal “fiel”. O namoro casto e cristão é só o primeiro desafio desse casal, mas não o único. A velhice sossegada dependerá de vários percalços vencidos no decorrer da vida em casal. E, muitas vezes, até o nascimento de um filho pode gerar crise em um casamento.

Veja que é justamente isso que Paulo fala no contexto: “E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos”. Portanto, de nada adianta começar um namoro cristão e terminar com um casamento pagão. É semente jogada em terra estéril, como diz a parábola do semeador, cujo contexto é a pregação do Evangelho, quando escreve: “Parte dela caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; e logo brotou, porque a terra não era profunda. Mas quando saiu o sol, as plantas se queimaram e secaram, porque não tinham raiz” (Marcos 4. 5-6).

Eu, pessoalmente, conheci dois casais que todos adjetivavam como “abençoados” e eram frutos de “namoros exemplos”. Mas, infelizmente, são dois divórcios que aumentaram as estatísticas de “separações não amigáveis”. E foram divórcios dolorosos. E ambos foram escolhas erradas de um dos pares. O par que foi vítima certamente pensava que o seu casamento cristão seria todo esse sofrimento? É claro que não, mas a escolha errada do cônjuge foi como a contingência de uma chuva forte que destrói toda a plantação que uma primeira chuva, na medida, ajudara a regar.

A vida humana é batalha contínua. A semeadura precisa destruir inúmeras barreiras. Não é um processo como a soma de dois mais dois.

E o casal “baladeiro” acabará na solidão? Depende. A vida de arrependimento e a misericórdia do Senhor vivem de quebrar a lei da semeadura, pois uma semente podre é substituída por uma semente sadia. É a graça trazendo vida onde havia colheita de morte (cf. Efésios 2. 1-9). Não é à toa que Jesus escreveu: “Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos” (Mateus 20. 16).

Semeadura contínua? Sim. Ingenuidade com a complexidade da vida? Nunca!

3 comentários em “Se a vida fosse tão simples como a soma de dois mais dois…

  1. Noto que a Bíblia é cheia de conselhos de sabedoria, que nunca são ensinados pela maioria dos pastores (e na verdade, muitos deles não aprendem sabedoria nem para si mesmos).

    Conforme ensina a Bíblia, podem haver muitas causas para o sofrimento, algumas evitáveis, outras não. Muitos pastores ensinam que a causa da maioria dos sofrimentos é a falha moral. Mas a Bíblia ensina que muitos sofrimentos são causados pela tolice. Gente igênua sofre, e muitas vezes, sem querer, causa sofrimento aos outros.

    Vejo isto: nas nossas igrejas, há muitos pastores que instruem o povo a ser simplice como as pombas, mas poucos pastores o instruem a serem prudentes como as serpentes. Vejo na minha vida, e na vida de todoa ao redor, que menos tolice teria evitado diversos males graves.

    Que bom seria se fôssemos instruídos em todo conselho de DEUS.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s