Dons Espirituais · Dons Revelacionais · Subsídio da EDB

Dons de Revelação

Por Gutierres Fernandes Siqueira


Classificar alguns dons como de relevação é meramente uma atribuição didática, pois a estrutura do texto paulino não justifica uma divisão rígida. E, também, como veremos o dom da palavra da sabedoria não é necessariamente uma revelação. Agora, vejamos neste texto a descrição dos dons da palavra do conhecimento, palavra da sabedoria e discernimento de espíritos.


Palavra do Conhecimento e Palavra de Sabedoria


A expressão “palavra de conhecimento” (λόγος γνώσεως- logos gnōseōs) ocorre apenas uma vez em o Novo Testamento, assim como a locução  “palavra de sabedoria” (λόγος σοφίας- logos sophias).  Portanto, qualquer tentativa de definir esses dons é limitada pela ausência de outras referências. É necessário reconhecer essa limitação, pois uma definição precisa desse dom poderá ocasionar em erros e especulações infundadas. Donald Gee, escrevendo sobre essa dificuldade, nos lembra que “devemos cuidadosamente evitar a dogmatização desse assunto” [1]. Enquanto ensinar sobre línguas, curas e profecias é relativamente fácil pela abundância de referências no próprio Novo Testamento, esse fato não se aplica à palavra do conhecimento e à palavra de sabedoria.


A tentativa viável de definir o dom da palavra do conhecimento e a palavra de sabedoria é buscando o sentido de conhecimento e sabedoria no corpus paulino. Embora, como defende D. A. Carson, a ênfase não é o conhecimento ou a sabedoria em si, mas sim a palavra [2]. Agora, se a ênfase é a palavra, logo tais dons podem estar relacionados diretamente a atividade de pregação e ensino. Logo, o dom tem um caráter sobrenatural porque o mesmo ocorre, segundo o contexto, dentro do ambiente de culto. Não é a sabedoria ou o conhecimento no dia a dia e nas atividades triviais. Não é o conselho para um jovem casal ou a decisão de construir uma casa. É a sabedoria e o conhecimento no contexto eclesiástico para a necessidade da igreja local.


Outra questão que pode ser levantada é: existe distinção nesses dons? Ou a sabedoria e o conhecimento são nuances do mesmo dom? Se a sabedoria é o conhecimento da razão aplicado por que a expressão vem antes da palavra de conhecimento? É provável que aja diferenças e possamos falar em dons no plural.


Conhecimento  e sabedoria no pensamento paulino. O conhecimento de Deus é insondável (cf. Rm 11.33-34), logo qualquer participação nesse conhecimento só pode ser recebida de maneira sobrenatural. É insondável porque o conhecimento divino transcende a capacidade humana e, somente com o Espírito Santo, é possível compreender algumas nuances do pensamento de Deus (cf. 1 Co 2.11). Portanto, o dom tem um caráter revelacional no sentido técnico do termo, ou seja, uma “manifestação sobrenatural de uma verdade que se achava oculta” [3]. Enquanto que por 24 vezes Paulo fala em sabedoria distinguindo a humana da divina.


No contexto da Carta aos Coríntios o apóstolo Paulo combate um certo protognosticismo, pois para muitos coríntios o conhecimento era confundido com espiritualidade ou superioridade (cf. 1 Co 8). O conhecimento de Deus não é algo adquerido por meritocracia ou excelência profissional, mas apenas pela graciosa misericórdia de Deus (cf. 1 Co 2. 6-16). O conhecimento deveria ser exercido com amor e, também, para a edificação da comunidade cristã (cf. 1 Co 8 .1). Portanto, conhecer era amar a Deus. Era, em si, o conhecimento verdadeiro. Conhecimento esse que advém do Espírito Santo para homens espirituais.


O que o dom não é? Como escreveu Benigno Juanes, a Palavra do Conhecimento não é: a) ciência adquirida através da reflexão e estudo, b) um fenômeno ou uma percepção extra-sensorial ou telepatia, c) uma habilidade humana especial, d) psicologia das massas ou auto-sugestão [4] e nem é e) uma profecia como lembra Donald Gee [5]. Assim, o dom é igualmente sobrenatural como a cura ou a língua estranha. A ênfase na “palavra” nos dita que é uma mensagem específica na hora certa. “É óbvio que a palavra da ciência tem a ver com a verdade da Bíblia ou sua aplicação. E não com onde estão as coisas perdidas ou que pecado ou doença uma pessoa tem- embora Deus possa ajudar nestas situações”, observa Stanley M. Horton [6] O mesmo serve para a Palavra da Sabedoria.


O que o dom é. Portanto, é uma bênção no contexto do culto que aja, da parte do Espírito Santo, uma palavra de sabedoria e ou conhecimento na edificação da Igreja. Não é que o portador seja necessariamente sábio ou conhecedor de muitas coisas, mas sim alguém que é usado para trazer uma palavra de acordo com a necessidade local [7]. O dom da Palavra da Sabedoria é, basicamente, a pregação e exposição das Sagradas Escrituras com graça, verdade, autoridade sob a direção sobrenatural do Espírito Santo. É a palavra que “queima” em nossos corações. Lembre que o dom espiritual não precisa ser, necessariamente, dramático. O dom da Palavra da Sabedoria pode vir, também, para aqueles na liderança que precisam de uma direção divina na resolução de problemas (cf. At 6.1-7).  O dom da Palavra do Conhecimento é a revelação de uma verdade ou fato não evidente. Em todo caso, essa revelação serve para propósitos de edificação e crescimento da igreja, e não serve para humilhação pública ou de natureza adivinhatória e megalomaníaca.


Discernimento de Espíritos


O dom de discernir espíritos é a capacidade sobrenatural de distinguir o verdadeiro do falso, a verdade da mentira. Infelizmente, nem toda mentira é explícita e discernível pelo uso da racionalidade apologética. E é importante lembrar que espírito nesse contexto não é o mesmo de 1 João 4.1 [8], mas sim 1 Coríntios 14, onde espírito é o nosso ser usado pelo Espírito Santo na manifestação sobrenatural, logo, discernir espíritos é discernir o bom uso dos dons (cf. 1 Co 14. 12, 29).


Vamos buscar os dons! Veja a descrição de cada e observe como o bom uso dos dons ajudará a Igreja na edificação.


Referências Bibliográficas:


[1] GEE, Donald. Concering Spiritual Gifts. 20 ed. Springfield: Gospel Publishing House, 2007. pos. 454.
[2] CARSON, D. A. A Manifestação do Espírito. A contemporaneidade dos dons à luz de I Corintios 12-14. 1 ed. São Paulo: Edições Vida Nova, 2013. p 40.
[3] ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. 16 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. p 321.
[4] JUANES, Benigno. Profecia, Interpretação, Palavra de Conhecimento. 1 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996. p 145-146.
[5] GEE, Donald. Op. Cit. pos. 475.
[6] HORTON, Stanley M. I e II Coríntios: os Problemas da Igreja e suas Soluções. 4 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. p 115.
[7] “Os crentes não se tornam reservatórios desse tipo de sabedoria” GEE, Donald. Op. cit. pos. 447.

[8] FEE, Gordon D. The First Epistle to the Corinthians. 1 ed. Grand Rapids: Eedmans Publishing, 1987. p 597.

7 comentários em “Dons de Revelação

  1. 1- Palavra de sabedoria:
    Palavra= pequena parte da sabedoria de DEUS; acontecimento futuro, só DEUS sabe; tem a ver com a onisciência de DEUS. JESUS sabia todas as cosias que estavam por vir. O profeta Ágabo (novo testamento tem profeta) revelava uma seca na Judéia que aconteceu realmente pouco tempo depois e a prisão de Paulo, tudo no futuro.
    Aqui, estamos estudando sobre revelações futurísticas que são dadas pelo ESPÍRITO SANTO, de repente, sem um prévio aviso ou estudo.
    Esta revelação pode ser dada por meio de uma visão, de um sonho, ou por meio de uma voz escutada também.
     
    Exemplos:
    JESUS:
    “Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois homens no campo, será levado um e deixado outro; estando duas mulheres a trabalhar no moinho, será levada uma e deixada a outra. Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor; sabei, porém, isto: se o dono da casa soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.” (Mt 24: 36-44)
     
    Exemplo em Atos dos apóstolos:
    Profeta Ágabo a respeito de uma grande fome
    Atos 11:28 e levantando-se um deles, de nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome por todo o mundo, a qual ocorreu no tempo de Cláudio.
    Profeta Ágabo a respeito de Paulo
    Atos 21:11 e, vindo ter conosco, tomando o cinto de Paulo, ligando com ele os próprios pés e mãos, declarou: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim os judeus, em Jerusalém, farão ao dono deste cinto e o entregarão nas mãos dos gentios.
    Paulo em viagem para Roma
    “Atos 27.34 Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós.”.
    Paulo sobre arrebatamento:
    I Co 15:51 “Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados”.

    Curtir

  2. 2- Palavra de conhecimento ou da ciência:
    Palavra = pequena parte do conhecimento de DEUS, revelação de coisa conhecida; tem a ver com onipresença de DEUS. (pode ser coisa conhecida por pessoas em outra parte ou localidade, que é revelada aqui onde estamos). JESUS via Natanael debaixo de uma figueira sem nem mesmo estar na mesma cidade.
    Eliseu sabia todas as estratégias de guerra do inimigo sem nem mesmo estar perto de seu acampamento. Quando a revelação vem em sonhos futurísticos é palavra de Sabedoria, mas quando o sonho vem com revelação atual é palavra de Conhecimento.
     
    Exemplos:
    JESUS:
    Jo 1.48 Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe JESUS: Antes que Felipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira.
    João 4:16-19 JESUS disse à mulher samaritana: “Vai, chama o teu marido e vem cá. A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido. Disse-lhe JESUS: Disseste bem: Não tenho marido; porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido; isso disseste com verdade. Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta”
     
    Eliseu sobre conversas escondidas:
    2 Rs 6.12 E disse um dos servos: Não, ó rei meu senhor; mas o profeta Eliseu, que está em Israel, faz saber ao rei de Israel as palavras que tu falas no teu quarto de dormir.
    Exemplo em Atos dos apóstolos:
    Pedro, Ananias e Safira
    Atos 5.4 “Enquanto o possuías, não era teu? E vendido, não estava o preço em teu poder? Como, pois, formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a DEUS”.
     

    Curtir

  3. 3- Discernimento de espíritos:
    Saber de onde vem e o que está operando numa pessoa. JESUS enxergava a fé dentro das pessoas. Tem a ver com a onipotência de DEUS (Aqui se expulsa demônios e se vence forças e idéias malignas). Paulo enxergou um demônio falando a verdade a seu respeito, mas com o intuito de ganhar crédito para suas adivinhações.
     
    Exemplo:
    JESUS:
    “E JESUS, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados são os teus pecados.”(Mc 2:5).
     
    Exemplo em Atos dos apóstolos:
    Paulo e a pitonisa:
    ” E fazia isto por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Eu te ordeno em nome de JESUS CRISTO que saias dela. E na mesma hora saiu.”(At 16:18).
     
    Para julgar profecias esse dom é imprescindível.
    1Co 14.26 – “E falem dois ou três profetas, e os outros julguem”.
    O julgamento de manifestações espirituais é uma ordenança bíblica. O apóstolo João escreveu: “Amados, não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos são de DEUS, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo”(1Jo 4.1). O discernimento é uma necessidade para a igreja dos dias atuais, pois há um verdadeiro bombardeio de modismos doutrinários, heresias e misticismos antibíblicos. Em meio a essa confusão da espiritualidade pós-moderna, a “profecia”, ou melhor, a profetada é um dos meios em que muitas heresias têm sido geradas.
    Como saber se determinada manifestação espiritual vem do ESPÍRITO de DEUS, do espírito humano ou de Satanás? Somente com o discernimento dado pelo ESPÍRITO SANTO.
     
    Esse dom também tem a ver com o discernimento para se distinguir a fonte do falar em línguas espirituais (ou estranhas).
    – se aquele que fala em línguas está falando na carne (fingindo ser batizado, ou aquele que aprendeu a repetir palavras como se fossem em línguas espirituais),
    – se aquele que fala em línguas está falando de DEUS (foi realmente batizado)
    – ou se fala imitações de Satanás, através de demônios que imitam o falar em línguas verdadeiro.
     
    A própria pregação e/ou ensino deve ser ouvida e julgada para se discernir entre a pregação/ensino que vem de DEUS ou a que vem do homem ou a que vem do Diabo.

    Curtir

  4. Interessante a colocação de Luiz Henrique, li isto no livro do Hagin, e retive o que era bom. O livro é ” A respeito dos dons espirituais” também li o livro “Dons de ministério”. Recomendo a leitura, sem preconceito, aproveite o que é bom.

    Curtir

  5. Acredito que o Cristão deve buscar nas escrituras aquilo que Deus quer realmente nas igrejas. Creio na palavra de Deus na sua totalidade. Não em alguns pontos outros não. Por isso devemos estudar as escrituras tendo como professor o ESPIRITO SANTO.Creio que que o Senhor Jesus é o mesmo de sempre! Ele cura, liberta, transforma e concede dons aos homens! E se temos o Espirito Santo peçamos a Ele discernimento para não sermos enganados.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s