Devocional

A falta de sentido

Por Camila Rauber*

É praticamente certo que você algumas vezes já se perguntou por que a vida não faz sentido. Mas, e quando essa pergunta se torna uma dúvida constante? E quando essa inquietação parte de alguém que acredita em Deus? Seria um caso de falta de fé? Ou um caminho para nos aproximar de Deus?

Vejamos a vida de Jó. Ele diz: “sinto desprezo pela minha vida! Não vou viver para sempre; deixa-me, pois os meus dias não têm sentido” (Jó 7.16, NVI, grifo meu). Essa foi a resposta que Jó deu a um de seus amigos. No momento de angústia extrema, nada trazia sentido a Jó. Sabemos como a história termina: nem conselhos, nem tentativas próprias de achar respostas, nada disso aliviou ou deu sentido a Jó, até o momento que lhe foi perguntado: “Quem é esse que obscurece o meu conselho com palavras sem conhecimento? Prepare-se como simples homem; vou fazer-lhe perguntas, e você me responderá” (Jó 38. 2-3, NVI).

Deus se apresenta a Jó… e não responde a nenhum de seus questionamentos. Pelo contrário, não bastava as dúvidas de Jó, Deus veio com mais perguntas: “onde você estava quando lancei os alicerces da terra? (38.4)” “Quem pôs em liberdade o jumento selvagem?” (39.5) “Você vai pôr em dúvida a minha justiça?” (40.8). Como isso poderia trazer sentido a uma vida com tantas dúvidas? Mas, ao final, Jó apenas responde: “falei de coisas que não entendia” (42.3) “meus ouvidos já tinham ouvido a seu respeito, mas agora meus olhos te viram” (42.5).

Agora. Não foi antes, quando seus amigos tentaram justificar o que lhe estava acontecendo, ou sugestões do que ele deveria fazer; foi agora: no instante após Deus mostrar a Jó que ele nada sabia. 

Como a consciência de que nada sabemos ajuda a encontrar sentido? Quando ela muda nossa perspectiva e nos faz enxergar a Deus. Deus contrasta com todo tipo de resposta e sentido que o mundo quer nos dar. Precisamos perder o sentido para encontrar o sentido em Deus. A dúvida não necessariamente tem que nos afastar de Deus. Ela nos aproxima dEle, e diante de sua grandeza somos confrontados em Sua verdade. Ninguém permanece com a mesma perspectiva quando enxerga a Deus, quando tem um encontro com Ele: o caminho, a verdade, o sentido de viver… tudo é transtornado. Ter sentido é ter a direção dos pensamentos mudados. E, aprendemos em Jó, isso só acontece quando somos confrontados.

“O tormento de Jó” de William Blake (1757 -1827) 

* Camila Rauber é bacharel e mestranda em filosofia pela Universidade de Buenos Aires (Argentina) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s